O mesmo poder público que combatia a festa passou a tratá-la como ‘megaevento’ e buscou patrocinador ao ver a ascensão dos blocos de rua, que condenam sua apropriação financeira